Chegando lá.

Este blog tem o objetivo de aproximar-me mais de você amigo blogueiro e através do mesmo compartilhar idéias, artigos interessantes, fotos, poemas e pensamentos. Desde já agradeço pelo teu prestígio, companhia e comentários. Sejam Bem Vindos!



quarta-feira, 19 de julho de 2017

CORAL ASAFE COMEMORA 75 ANOS DE LOUVOR EM BELÉM

Tenho a imensa satisfação de apresentar a história ou pelo menos uma parte da trajetória de um dos mais belos corais paraenses. Em Belém do Pará onde se localiza a Igreja-Mãe das Assembleias de Deus no Brasil, a música coral (desde 1926) é um tema que tem sido levado com muita seriedade. Pela bondade do Senhor e o esforço de diversos maestros tais como o veterano Pr. Filinésio Soares, Jares Fernandes, Onilson Rocha da Silva os corais estão em plena atividade. Cada um deles oferecendo a Deus o que existe de melhor, tanto no repertório quanto na técnica vocal.

O CORAL ASAFE, da Assembleia de Deus da Pedreira, em Belém, igreja liderada pelo dinâmico pastor Sebastiao Castro, tem realizado um importante serviço musical de qualidade. O grupo já se apresentou em várias capitais do nordeste e sudeste do Brasil e em muitas instituições públicas de Belém.



O Coral que foi criado em 24/06/1942, tem como regente desde 1970, o maestro Wilton Pacífico, e entre seus colaboradores como regente assistente a professora de música Danihellen Siqueira, que atuou a partir de 2001 por vários anos.

Ao completar 75 anos de fundação ministrando louvor e adoração, o Coral da Pedreira, é um dos mais antigos da Assembleia de Deus em Belém. Sempre na vanguarda de seu tempo, o Coral tem se destacado tanto pela modernização de seu repertório quanto pela técnica que seus jovens membros têm adquirido em escolas de música.

Em Janeiro de 2004, o coral gravou o CD "O Cordeiro que venceu - Ao vivo" com as músicas: 1) Terra Feliz (instrumental) 2) Pai Nosso 3) Agnus Dei 4) Os que esperam no Senhor 5) Faze já o teu querer (instrumental) 6) Terra Santa 7) Glória in Excelsis Deo 8) Mar da Galiléia 9) Luz de Deus 10) Em fervente oração (instrumental) 11) Louva a Deus ó Jerusalém 12) Cordeiro que Venceu 13) Grandioso és Tu 14) Vejo o Senhor.

Entre as várias apresentações tanto no templo quanto em outros locais, nos dias 06 e 08/04/2012 o Coral Asafe realizou a Cantata de Páscoa "CONHECIDO PELOS CRAVOS" dos compositores Tom Fettke e Camp Kirkland, com Regência de Danihellen Siqueira, Direção Artística de Eduardo Wagner e participação Solista soprano Ione Carvalho, que atua no Festival de Ópera do Teatro da Paz.

Que o Senhor continue derramando Suas bênçãos sobre este coral, que conta atualmente com cerca de 50 integrantes. Estão de parabéns a Igreja da Pedreira, maestro Wilton Pacífico, Pastor Sebastiao Castro, por possuírem esta joia preciosa e que possam valorizar cada vez mais este segmento musical.

Fonte: http://asafecoral.blogspot.com.br/ 

ANEXOS:


                                         Coral Asafe da AD da Pedreira em Belém - PA 

                                                                        Coral Asafe


video
                                             Coral Asafe cantando o hino "SALMO 23"


CRISTO CONSOLADOR, UM CORAL CENTENÁRIO EM JOINVILLE

“Cantarei a bondade e a justiça; a ti, Senhor, cantarei” (Salmo 101:1). Este é o lema do CORAL CRISTO CONSOLADOR, da Comunidade Evangélica de Confissão Luterana do Distrito de Pirabeiraba (do Sínodo Norte Catarinense). Este coral que conta 105 anos de atividades é o segundo coral mais antigo de Joinville (SC).

Esta é a terceira postagem histórica de um coral catarinense, sendo as anteriores do Coral Harmonia Santa (Templo Central da AD em Joinville) e a do Coral da AD em Criciúma.



Pertencente à Igreja Luterana, o Coral Cristo Consolador iniciou suas atividades em novembro de 1912, sob a regência do Prof. Gustavo Ohde. Com uma história que atravessou o século, tornou-se um grupo persistente na sua missão de testemunhar o evangelho de Cristo. De 1929 a 1939 foi regido pela regente Elisabeth Dommel, esposa do pastor Dommel. Por medidas políticas, o coral teve que interromper suas atividades durante a 2ª Guerra Mundial, voltando a organizar-se novamente em 1944, cantando somente hinos em português até o ano de 1952.

O coral teve até hoje oito regentes, entre os quais as esposas de pastores Elisabeth Burger (por 30 anos) e Elisabeth Schiemann (por 14 anos). Hoje está sob a regência de Rafael Daniel Huck.

No ano de 2012 o coral comemorou em grande estilo o seu centenário. Além da presença maciça dos membros da comunidade e de autoridades convidadas – entre as quais o prefeito eleito Udo Döhler de Joinville – participaram também o Coral da Paz (o mais antigo coral de Joinville), o Coral Cristo Salvador e o Coral Sociedade Cultural Lírica de Joinville. No total foram apresentados 14 músicas e cantatas, parcialmente acompanhados pela Orquestra Prelúdio de Joinville, sob a regência de Rafael Daniel Huck.

O evento musical foi inserido num culto oficiado pelos pastores Henrique Seick e Carlos Luiz Kruger, pároco local, que dirigiu a mensagem. Como o dia 10 de novembro, data da celebração, era dia do nascimento de Martim Lutero, Kruger citou uma palavra do reformador acentuando a importância da música na vida e, de forma especial, na igreja.

Antes da oração e do canto final, houve um momento de homenagem a todas as pessoas que contribuíram para a realização do culto/concerto festivo e também para as que participaram ativamente na história do coral e sua abençoada atividade centenária.

Com o canto final “GLÓRIA E LOUVOR”, de Gordon Young, encerrou-se o evento que, além de ser um marco comemorativo, foi um culto de louvor e agradecimento a Deus, que abençoou o coral durante os seus 100 anos de existência e também a Comunidade que foi beneficiada pelas atividades do Coral.

Fonte: http://jornalocaminho.com.br/noticia.php…

ANEXOS:

                          Coral Cristo Consolador, da Igreja Luterana de Pirabeiraba - Joinville - SC


sábado, 15 de julho de 2017

Pastor Antônio Petronilo dos Santos

Pastor, Antigo líder das AD em João Pessoa e Ex-Presidente da CGADB


Um dos grandes líderes das Assembleias de Deus no Nordeste Brasileiro, o Pastor Antônio Petronilo dos Santos deixou exemplos de um verdadeiro homem de Deus. 

Antônio Petronilo dos Santos nasceu em 31 de maio de 1901, na localidade de Borborema, município de Bananeiras, no Estado da Paraíba. Sua conversão se deu em 19 de maio de 1930. Em 04 de julho desse mesmo ano, foi batizado em águas pelo pastor Eugênio Martins Pires na AD em Natal (RN) e em 1º de janeiro de 1943, batizado com o Espírito Santo. 

Sempre cooperando na igreja, em 24 de janeiro de 1943, foi separado para o presbitério em Natal. Cinco anos depois, em 24 de janeiro de 1948, foi ordenado ao ministério pastoral, em cerimônia presidida pelo pastor Eugênio Martins Pires, na época líder da AD em Natal.

Homem afeiçoado ao trabalho e apaixonado pela obra de Deus, Antônio Petronilo serviu às igrejas em São Rafael – RN, durante 18 meses; Mossoró – RN, por dois anos e João Pessoa – PB, cujo pastorado assumiu em 1950. Tornou-se, por eleição, pastor regional das Assembleias de Deus na Paraíba, no dia 15 de dezembro de 1950. Foi durante sua gestão que a Assembléia de Deus em João Pessoa teve seu maior período de prosperidade. Nesse tempo, o trabalho se estendeu e estabeleceu em 17 outras cidades.

Em 1962, em Recife – PE, foi eleito presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. Presidiu a CGADB até 1964. Durante 11 anos foi tesoureiro da Casa Publicadora. Mesmo ocupado com a obra de Deus no seu país, ainda encontrou tempo para visitar a Bolívia e o Paraguai, onde pregou a Palavra de Deus. Participou ativamente de eventos importantes das Assembleias de Deus no Brasil, tais como convenções e escolas bíblicas, onde era convidado para ministrar. Também vez por outra recebia em João Pessoa, seus colegas pastores de vários estados, que iam até ali para abraçar o veterano obreiro.


Após um período enfermo, pastor Petronilo partiu para o descanso eterno no dia 6 de abril de 1972, sendo sucedido na época pelo seu vice-presidente, pastor Antônio Fernandes das Chagas. Quando assumiu a direção das Assembleias de Deus no Estado da Paraíba, encontrou 15 templos e cerca de 1500 membros. Ao falecer, deixou a igreja com 79 templos e mais de 12 mil membros, sendo 3.500 somente na capital.

"Foi uma grande perda para o ministério da Assembléia de Deus no Brasil. Antônio Petronilo dos Santos foi uma dessas pessoas que têm seu valor estampado em sua fisionomia e atitudes. Foi um homem que sempre esposou e defendeu os princípios da Assembléia de Deus. Um autêntico pentecostal”, disse pastor José Pimentel de Carvalho, líder da AD em Curitiba.




ANEXOS:

 



Crentes reunidos em frente ao Antigo Templo Central das AD em João Pessoa

Obreiros no púlpito da AD em João Pessoa, em 1959

                          

Pastor Antônio Petronilo realizando um batismo na AD em Sousa - Paraíba 

Pastor Antônio Petronilo comemorando o seu 70º aniversário 
em maio de 1971

                     Pastor Antônio Petronilo pregando no púlpito da igreja em João Pessoa

     Antigo Templo Central das AD em João Pessoa, 
hoje uma das congregações da igreja  

sexta-feira, 14 de julho de 2017

CORAL VOZES DE JÚBILO COMEMORA 71 ANOS EM ARACAJU

Dando prosseguimento em nossas postagens semanais, vamos conhecer um pouco da trajetória do CORAL VOZES DE JÚBILO, destacado grupo musical do Templo Central das Assembleias de Deus em Aracaju (SE), cuja igreja tem como presidente o dinâmico pastor Virgínio José de Carvalho Neto.



O coral teve início no ano de 1946, sob a direção do Pastor Aristóteles Bispo de Santana, tendo na formação inicial as seguintes pessoas: o maestro Santinho, da Igreja Batista; Manoel Pedro, João Cícero, dentre outros. Naquela época já funcionava na igreja uma escola de música, na qual participavam entre outros os irmãos José Calixto Franco e Manoel Oliveira de Menezes.

Posteriormente o presbítero José Calixto Franco assumiu a direção do coral e depois de alguns ensaios e pela fé cantaram o primeiro hino “VIGIAI E ORAI”, nº 76 do “Coros Sacros”.

Passados alguns anos, por volta de 1956, assumiu a direção o Maestro Manoel Oliveira de Menezes, que durante aproximadamente 40 anos, conduziu os trabalhos do grupo musical e no ano de 1996, por motivos de força maior, teve que se ausentar.

Com o afastamento do maestro Oliveira, as atividades prosseguiram, assumindo a regência o maestro Edilson Machado que ficou aproximadamente dois anos realizando um trabalho dinâmico e moderno.

Posteriormente, assumiu a regência, o maestro Elias Santos, que com muita dedicação executou um belo trabalho que durou aproximadamente 10 anos. Em seguida assumiu o coral o maestro Efraim Santos.

O coral Vozes de Júbilo é um grupo atuante na igreja, com ensaios regulares e apresentações nos cultos dominicais, cerimônias, outros eventos festivos e onde sua presença se faz necessária. Os ensaios, normalmente, são 4 a 6 vezes por mês, sendo o coral composto por aproximadamente 70 componentes.

Atualmente, o coral possui dois maestros: Jodoval Ferreira da Silva e Darcillene Bittencourt Reis, além de ter uma equipe administrativa, todos compostos pelos membros do coral. A continuidade deste grupo é um ponto alto do coral Vozes de Júbilo, que além da consciência de estar louvando a Deus, o coral é também um grupo que se propõe a praticar atos sociais, culturais, que integram a todos que participam como também aos ouvintes.

O maestro do coral Jodoval Ferreira da Silva é formado em Licenciatura em Música desde 2016 e o seu trabalho de conclusão do curso foi sobre a história do Coral Vozes de Júbilo.

Parabenizo ao Coral Vozes de Júbilo por essa linda história, agradecendo à irmã Laís Indiana (corista e filha do maestro Jodoval) que gentilmente me enviou o texto para essa postagem. Que Deus continue abençoando os maestros Jodoval e Darcilene, para que possam continuar fazendo o melhor de suas vidas para o desenvolvimento desse coral sergipano.


ANEXOS:

                        Templo Central das Assembléias de Deus em Aracaju - Sergipe

                  Coral Vozes de Júbilo cantando em um dos cultos no Templo Central



                        Coral Vozes de Júbilo cantando o hino "ASAS DA ALVA"

quinta-feira, 13 de julho de 2017

EXCELSIOR, UM CORAL DE VALOR EM TAGUATINGA

Amigos, já observaram como as nomenclaturas dos corais se repetem? “Harmonia Celeste”, “Vozes de Sião”, “Acordes Celeste” e outros são muito comuns. Quero que conheçam outro “Excelsior”, já que publicamos aqui faz pouco tempo, a história do Coral Excelsior, renomado coral do Rio de Janeiro.

Este, que compartilho hoje a sua história, é o Coral EXCELSIOR, do Templo-Sede da Assembléia de Deus Ministério de Madureira em Taguatinga (DF), que tem como atual líder, o Pastor Gilson Ferreira Campos.

Tudo começou em 1958, através da instrumentalidade da irmã Oscarina de Jesus Dias, procedente de Goiânia, onde havia estudado música na igreja. Essa irmã deu início às atividades de um grupo musical no templo provisório da Assembleia de Deus em Taguatinga (Sul), na época liderada pelo saudoso pastor Alexandre Moreira de Assis. Irmã Oscarina permaneceu à frente do grupo por aproximadamente três anos. O primeiro hino ensinado ao Coral foi o de nº 19 da Harpa Cristã: “O CONVITE DE CRISTO”, por sugestão da irmã Isolina.

No ano de 1961, com o afastamento da maestrina, assumiu a regência o irmão Arnaldo Joaquim de Sousa, que ficou entre os anos de 1961 e 1962. A igreja que se reunia na casa do irmão Corinto passou em seguida para a Vila Matias. Naquela época o Coral, que atingiu o número de 30 coristas, entoava os belos hinos dos “Coros Sacros”, “Antemas Celestes” e de outros hinários. Da Vila Matias, o coral acompanhou a mudança da igreja para a CNB 06 e depois para a CNB 10, como são denominadas as quadras e endereços de Brasília.

1965 – Raimundo Gomes da Silva, esse é um dos responsáveis pela permanência do Coral, cantando por todos esses anos. Durante muitos anos, após sua gestão, quando faltava um regente titular, irmão Raimundinho, com é conhecido, passou do lugar de corista para assumir a regência. O maior período que ficou como regente titular foram 13 anos consecutivos. O Presidente do campo era o Pastor Antônio de Melo, o qual apoiava sobremaneira a manutenção do coral. Os primeiros hinos que ele colocou no coral foram o de nº 207 da Harpa Cristã: “JERUSALÉM DIVINA” e o 403: “GOZO REAL”. Destaca-se aqui a paciência, dedicação e amor que o irmão Raimundinho sempre demonstrou nesse ministério de louvor, ora regendo, ora cantando.

1978 – O irmão Juranir Fernandes da Silva assumiu a regência quando a igreja ainda estava no templo provisório, na área em que se encontra hoje. Na ocasião, foram convidados aqueles irmãos que quisessem ingressar no coral e muitos atenderam ao chamado. Foi uma época de grande crescimento, principalmente na qualidade. A característica marcante do maestro Juranir foi a disciplina que impunha aos coristas, no intuito de que pudessem apresentar o melhor que tinham para o senhor. Foi nesse período que houve maior preocupação com a técnica vocal. Registra-se a ilustre contribuição do maestro Juranir.

1979 – Procedente de Goiânia (GO) Josué Amaury levava consigo a experiência de ter participado e regido um dos melhores corais das Assembleias de Deus na região Centro-Oeste, o Coral da Assembleia de Deus do Templo Central Ministério de Campinas (Goiânia). Graças a isso o coral Excelsior só teve a ganhar.

1982 – Moacir Moreira (in memorian) – Dentre os regentes de Coral, este foi o primeiro a falecer, prematuramente, em 24 de dezembro de 1988. Era músico talentoso, alegre e destemido. Sob sua liderança, o coral realizou uma viagem para Barreiras (BA) e lá o Senhor abençoou sobremaneira.

1983 – Moisés Ribeiro – Assim que tomou conhecimento de que o irmão Moisés e família viriam de mudança para Taguatinga, o saudoso Pastor Geraldo Gonçalves da Silva e Cardoso, acompanhado do irmão Laerte, foi a Sobradinho, onde o maestro era regente do Coral Redenção e o convidou para assumir a regência do coral de Taguatinga, cujo posto na época estava vago. No dia marcado para o primeiro ensaio, em 13 de julho de 1983, havia 94 pessoas reunidas; e pela graça de Deus, chegou-se a inauguração do primeiro uniforme. Sob sua orientação, foi organizada a primeira diretoria eleita, com os seguintes cargos e pessoas: Presidente: Oswaldo Tadeu de Santana; Vice-Presidente: Joel Gomes da Silva; Tesoureiro: Raimundo Gomes da Silva; Secretária: Geusa Gonçalves. Na ocasião, foram sugeridos vários nomes para o grupo de cantores e então, por maioria absoluta foi escolhido e aprovado o nome atual: CORAL EXCELSIOR. E pela primeira vez, houve a proposta para a contratação de um professor de técnica vocal.

No ano de 1985, o maestro Moisés Ribeiro passou por muito sofrimento quando o Senhor recolheu o seu pai, Pastor Manoel da Penha Ribeiro. Exatos 40 dias depois, seu pastor e amigo Geraldo Gonçalves da Silva e Cardoso também veio a falecer. E em março de 1986, o Senhor chamou sua mãe, Stella da Costa Ribeiro. Foi um período de muita provação!

Em 1987, o corista Antônio Otávio de Oliveira, que também era o presidente do coral, passou a ser o regente. Quando assumiu a regência do coral, ele pôde demonstrar toda a sua capacidade musical, antes desconhecida pelos demais coristas, devido a sua tamanha humildade. E a cada ano, sob sua liderança o coral realizava a Cantata de Natal

No ano de 1993 com a saída repentina do Maestro Otávio, a diretoria convidou o professor João Gomes Ferreira para dar continuidade a obra. Infelizmente só permaneceu durante alguns meses, ficando o coral novamente sob os cuidados do irmão Raimundinho, até que outro regente assumisse o cargo. Mas nesse mesmo ano, Deus, enviou o maestro Mariano Messias para conduzir o Coral Excelsior. Sendo então o maestro mais jovem que passou pelo coral. Dedicado e disciplinado, soube manter o excelente nível deixado pelos seus antecessores. Apresentou Cantatas de Natal, sempre com grande esmero e técnica. Acrescentou dezenas de novos hinos ao já extenso repertorio.

Em Fevereiro de 1997, chega dos Estados Unidos com a família o irmão Altamiro Vieira da Silva, o qual, com um um carisma impressionante, conseguiu cativar a cada corista e a igreja. Ele bem sabia que estaria à frente do Coral num período de transição, isso até a chegada de Moisés Ribeiro, que havia ido estudar no exterior e retornaria ao Distrito Federal em julho de 1997. Não obstante a este fato, o maestro Altamiro não se intimidou. Trabalhando com afinco, ensaiou normalmente o coral, apresentando-se nos cultos e reuniões em que foram convidados. Um exemplo de humildade que acompanha o coral.

Julho de 1997. Confiado na palavra de Deus que fora proferida pela irmã Olinda, 10 anos antes, de que voltaria a ser o regente do Coral Excelsior, Moisés Ribeiro aguardou ansiosamente o dia em que estaria à frente do Coral novamente, o que se deu em 12 de julho de 1997.

Ao ser lido pela então secretária Anedite um pequeno histórico do coral, com início do ano de 1958, o irmão Moisés destacou que no ano seguinte, 1998, seria comemorado os 40 anos do Coral. A diretoria foi convocada em seguida e criou-se o slogan: CORAL EXCELSIOR 40 ANOS SEMEANDO LOUVOR. Na ocasião, houve um planejamento para diversas apresentações em locais públicos como: hospitais, shopping, rádio e onde fosse possível. O maestro teve a preocupação de ampliar o repertório do coral para a Cantata de Natal intitulada: “NATAL DOS ANJOS”, a qual foi apresentada em dois dias, com a participação de quase todos os grupos da igreja.

Entre 1999 e 2002, passaram também pela direção do Coral Excelsior, vindos de São Paulo, a maestrina Divina, o maestro Jean Julivier; e de Goiânia, o maestro Wagner.

Desde 2003, sob a regência do Maestro Mariano Messias, o Coral Excelsior prossegue em sua caminhada, alegrando os ouvintes com seus belos hinos apresentados nos cultos dominicais e eventos especiais da Assembleia de Deus em Taguatinga.

Fonte: Site da AD em Taguatinga:http://www.adtag.com.br/site/ViewDepartamento.aspx?ID=6
5
ANEXOS:
          Catedral das Assembleias de Deus em Taguatinga - DF (Ministério de Madureira)
               Nave do Templo-Sede da AD em Taguatinga - DF (Ministério de Madureira)
                             Coral Excelsior, da AD em Taguatinga - DF em 2011
                                       Coral Excelsior, da AD em Taguatinga - DF


                            Coral Excelsior cantando o hino "JAMAIS IREI ME GLORIAR"





quarta-feira, 14 de junho de 2017

CORAL JÚBILO CELESTE, SEMPRE LOUVANDO

Completando agora 36 histórias de nossos "orfeônicos", pela graça e misericórdia do Senhor, como também motivado pela grande aceitação de nossos amigos, músicos e regentes que tão bondosamente têm nos acompanhado nesse trabalho.

Uma das igrejas que mais tem dado incentivo e apoio para a manutenção dos corais, sem dúvida é a Assembléia de Deus no Estado de Pernambuco, tanto é que pela quarta vez temos o prazer de postar a história de um coral pernambucano.

Só relembrando que já pudemos conhecer um pouco da trajetória do Coral Filadélfia (do templo central de Recife), do Coral da AD em Casa Amarela e do Coral da AD em Encruzilhada. Agora, numa gentileza do maestro Petronio Lima, que enviou-me este texto, compartilho a história do Coral JÚBILO CELESTE, do templo-sede da AD em Cabo de Santo Agostinho, que tem como líder setorial, o Pastor Aldir Domingos e como presidente o Pastor Ailton José Alves.




Esta obra começou bem modesta em 1954, com seis irmãs que juntas cantavam, dividindo empiricamente as vozes, hinos da harpa em uma congregação humilde na localidade denominada Engenho Algodoais, que fica no município de Cabo de Santo Agostinho. Entre elas estava a irmã Carmel Silva, que continua nesta obra até hoje. Pouco tempo depois, outros irmãos interessados somaram-se ao pequeno grupo, num total de dezoito pessoas entre homens e mulheres sedentos em louvar ao Senhor de todo o coração.

Naquela humilde congregação, surgia não oficialmente, nem com este nome, o "JÚBILO CELESTE". A notícia se espalhou e logo apareceu um convite do pastor João Cardoso, junto ao presbítero Valdomiro Cordeiro, para o novo coral participar de um culto de Santa Ceia na congregação do lugar chamado Beco Salgado, isto, na data de 24 de maio de 1955. Essa congregação, anos mais tarde tornou-se a Sede da AD em Cabo de Santo Agostinho.

Naquela ocasião, o saudoso Pastor José Amaro da Silva, então líder das Assembleias de Deus no Estado, estava presente, e ao convidar o grupo para apresentar-se foi logo dizendo: “Vamos ouvir o coral do Engenho Algodoais”. Era muita responsabilidade para o grupo musical iniciante!

Naquela noite foi escolhido o nome de Severino Antão para estar à frente e coordenar o louvor do novo coral. Na data escolhida, 07 de Setembro de 1955, ali na congregação no Beco Salgado, foi fundado oficialmente o Coral Júbilo Celeste. O primeiro hino entoado "QUEM VIVE NA GLÓRIA", o de nº 96 do "Coros Sacros", encheu de alegria aqueles simples irmãos.

O irmão Severino Antão passou cerca de 3 anos à frente do coral, sendo substituído pelo maestro José Tavares. Este por sua vez, pouco tempo depois cedeu seu lugar ao maestro Albertino, que também passou pouco tempo e foi sucedido pelo Maestro Jonas. Enquanto isso o coral continuava crescendo em graça, adoração e experiência musical; os louvores entoados tocava o coração das pessoas que os ouvia e multiplicava-se a fé.

Não podemos deixar de citar o nome dos irmãos que contribuíram na regência deste coral, seguindo a ordem cronológica, foram eles: José Cordeiro; Sebastião Maia; Jaime Alfredo; Garcia; Juvenal; Josué Berto; Ronaldo Afonso; Rezin Afonso; José Luiz; Jadiel Bento. Sem esquecer-se de outros nomes que muito contribuíram para o desenvolvimento do coral, tais como a irmã Ivanice, que por várias vezes assumiu o coral quando este estava sem liderança. Outros irmãos como, Mariano, Noemi e Samuel, que apesar de não serem regentes, sempre cooperavam com amor e alegria.

No dia 20 de maio de 2001, o então pastor setorial Simas Dias apresentou à igreja em Cabo, o nome do maestro Petronio Lima para dar continuidade ao trabalho. Apesar de ainda muito jovem, Petronio logo procurou inovar e melhorar o desempenho do coral. Apresentou novos arranjos e novas técnicas vocais, e sem perder a unção e o fervor, tem efetuado este trabalho até o dia de hoje.

Na ano de 2006, para comemorar o Jubileu de Ouro, foi gravado o CD “Coral Júbilo Celeste – 50 anos de Louvor”, apresentando a igreja novos arranjos para músicas já conhecidas, entre os quais o belíssimo arranjo do hino "SOSSEGAI", de nossa Harpa Cristã. E no momento o coral se prepara para a gravação do seu segundo CD que sairá em breve.

Hoje, já soma 75 componentes, que juntos entendem que “Não há problema que Deus não resolva”, por isso “não podem deixar de proclamar este amor tão singular de nosso Senhor Jesus”.

Prestes a completar 62 anos de plena atividade, e de um sexteto feminino o Senhor levantou um coral forte e viçoso, que sob a direção do Espírito Santo, entende que nesta vida é só peregrino; que está aqui só por uma noite, mas que não se importa; tem trilhado passo-a-passo em direção da cidade maravilhosa, onde juntos reverão e cantarão juntos de vestes brancas com todos aqueles que já partiram, sendo regidos pelo próprio Senhor Jesus Cristo.

Parabéns ao Coral Júbilo Celeste, ao maestro Petronio Lima, a quem agradeço de coração pela grande contribuição ao nosso trabalho semanal, por nos dar este privilégio de contar mas uma história, que com certeza, há de trazer muito incentivo a outros corais.





video
      Coral Júbilo Celeste cantando o hino "SOU UM SOLDADO" (418 HC)

sábado, 10 de junho de 2017

CORAL EVANGÉLICO DE SÃO PAULO

Enquanto aguardamos novas colaborações de maestros e coristas amigos para novas postagens históricas, quero compartilhar hoje a história de mais um importante coral evangélico, sendo ele um dos mais conhecidos no Brasil.

O Coral Evangélico de São Paulo foi fundado em 1948 pelo Reverendo Natanael Inocêncio do Nascimento, professor e pastor da Igreja Metodista, com o objetivo de integrar coralistas das várias igrejas evangélicas reformadas de São Paulo em um grupo que apresentasse, principalmente, música sacra evangélica brasileira.


Entre seus regentes destacam-se as figuras de Umberto Cantoni e Alberto Corazza e, desde março de 2002 está sob a direção da maestrina Dorotéa Kerr. Desde 1997 o Coral Evangélico tem desempenhado papel importante no projeto “Resgate dos Hinos da Nossa História” que envolve gravação de CDs e DVDs com hinos da tradição musical evangélica.

O coral é interdenominacional, ou seja, é aberto à participação de coralistas de qualquer denominação evangélico/protestante.

Ensaia semanalmente às segundas-feiras, das 19h30 às 21h30, na Catedral Metodista de São Paulo, localizada na Avenida Liberdade, 659 - Liberdade (entre as estações de metrô São Joaquim e Liberdade), na capital Bandeirante.

Conta, atualmente com cerca de 130 participantes e tem o acompanhamento instrumental da pianista Valéria Nascimento.

Ao longo de sua trajetória o coral tem recebido convites para participar de celebrações religiosas em igrejas, como também de eventos e concertos sacros em locais diversos como: hospitais, Assembleia Legislativa de São Paulo, Câmara dos Vereadores de São Paulo etc.

Dentre os diversos concertos, podemos destacar alguns:

* 2013 – Concerto Cantata Cântico de Natal, realizado em 07/12, na Catedral Evangélica de São Paulo.
* 2012 - Concerto Bach-Haendel "Um Canto de Natal", realizado em 15/12, na Catedral Evangélica de São Paulo.
* 2011 - Lançamento do CD e DVD Hinos da Nossa História II, em 13/12, na Catedral Evangélica de São Paulo.
* 2011 - Gravação do CD e DVD Hinos da Nossa História II, em 09/07, na Igreja Presbiteriana do Jardim das Oliveiras, em São Paulo.
* 2010 - Concerto de Natal, realizado na Catedral Evangélica de São Paulo.
* 2009 - Concerto Tributo a Händel e Mendelssohn, na Catedral Evangélica de São Paulo.
* 2009 - Concerto na IX Mostra Mackenzie de Música Sacra.
* 2009 - Concerto de Música Sacra, Igreja Memorial Batista, de Brasília/DF.
* 2009 - Concerto no XII Festival de Música Sacra, na Catedral Evangélica de São Paulo, com o apoio do Instituto de Artes da UNESP.
* 2008 - Lançamento do CD e DVD Exultai!
* 2008 - Concerto com a Banda Sinfônica da Polícia Militar do Estado de São Paulo, em comemoração ao 177º aniversário da corporação.
* 2008 - Concerto na Câmara Municipal de São Paulo.
* 2004/2005 - Participou como coral convidado pela Orquestra Sinfonia Cultura da execução da “Missa” de Ernani Aguiar e do “Te Deum” de Villani Cortes, sob regência do Maestro Lutero Rodrigues.

Há dezoito anos, por uma iniciativa da maestrina Dorotéa Kerr, visando o resgate da hinologia cristão protestante, cujos hinos foram caindo no esquecimento e deixando de ser entoados na liturgia dos cultos, o coral passou a gravar CDs de coleções de hinos sacros, sendo que desde 2008, junto com os CDs, também estão sendo gravados DVDs ao vivo.

Abaixo, a coleção de áudio e vídeo do coral:

1997 - Nossos Hinos Favoritos I - CD (coral de 200 vozes)
1997 - Sons & Tons do Natal - CD (coral de 200 vozes)
2000 - Hinos da Nossa História I - CD (coral de 320 vozes e orquestra)
2001 - Louvai ao Senhor - CD (coral de 720 e orquestra)
2002 - Nossos Hinos Favoritos II - CD (coral de 191 vozes masculinas e orquestra)
2004 - Oh! Que Belos Hinos - CD (coral de 480 vozes)
2006 - Tributo de Louvor - CD (coral de 400 vozes)
2008 - Exultai, Vinde Todos Louvar - CD e DVD (coral de 350 vozes)
2011 - Hinos da Nossa História II - CD e DVD (coral de 250 vozes, piano e órgão)

Fonte:
https://www.facebook.com/…/CoralEvangelicodeSaoPaulo/about/

ANEXOS:
                                Capa do CD do Coral Evangélico de São Paulo



video
                              Coral Evangélico de São Paulo cantando o hino "SALMO 06"

EM ARARAS (SP) O CORAL VOZES DE SIÃO É DESTAQUE

A nomenclatura dos corais evangélicos nas décadas passadas, seguia uma certa padronização, e por isso vemos ainda hoje, diversos grupos com o mesmo nome. E só para relembrar, "HARMONIA CELESTE", "HARMONIA CELESTIAL", "VOZES DE SIÃO", "ACORDES CELESTE", "LOUVORES CELESTE", "CANTORES DE SIÃO", "SINFONIA CELESTE", "LÍRIO DOS VALES" foram os nomes mais usados naquele período. Atualmente, os organizadores de grupos musicais procuram nomes menos comum: Coral Kades, Coral Kemuel.

Pela segunda vez, aparece aqui em nossa história o nome de um coral "VOZES DE SIÃO". Desta feita, conheceremos um pouco da trajetória do Coral "VOZES DE SIÃO", do Templo-Sede da Assembleia de Deus Ministério de Madureira em Araras (SP).




No fim da década de 70, quando pastoreava a igreja o pastor Vicente e no início da década de 80 com o Pastor Luiz Carlotte, os músicos: Paulo Araújo dos Santos e Adolfo Santana de Milhã começaram a ensinar os princípios da Teoria Musical aos membros da igreja com o propósito de formarem uma Banda Musical e um Coral.

Passado algum tempo ambos se mudaram e então, o Pastor Luiz Carlotte incentivou o Pastor Jayme Rodrigues a continuar ensaiando o coral. Depois de meses de ensaio, o Coral Vozes de Sião se apresentou pela primeira vez em 04 de Junho de 1983, cantando o hino intitulado: “CORO SANTO" n.º 274 do hinário Cantor Cristão.

Depois outros regentes assumiram o Coral, tais como: Élson Custódio, Lurdes Michimura, Dorival Camargo, Juciel Paulo Silva, Eduardo Manuel, Cleber Mello Freitas, Paulo Rodrigo Guedes.

Atualmente o “Coral Vozes de Sião” está sob a regência do pastor Erivelton Rodrigues Nunes e do diácono Paulo Rodrigo Guedes e conta com cerca de 25 componentes.

Fonte: blog do Coral Vozes de Sião: www.vozesdesiao.com

ANEXOS:

              Foto do Coral Vozes de Sião em 1983 sob a regência do Pr. Jayme Rodrigues

video
                   Coral Vozes de Sião, apresentando um trecho da Cantata "VIVO ESTÁ"

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Pastor João Batista da Silva


Evangelista, pastor, doutrinador, antigo líder da Assembleia de Deus no Rio Grande do Norte e ex-presidente da Convenção Geral das Assembleas de Deus no Brasil.

Natural de Natal (RN), João Batista da Silva, nasceu no dia 24 de maio de 1905. Filho de Joaquim Inácio da Silva e Joaquina Generosa da Silva, ele viveu a sua infância e adolescência na cidade onde nasceu. Posteriormente, por força do emprego que o seu pai ocupava no antigo Departamento de Correios e Telégrafos, como transportador de malas do correio para várias cidades, passou a residir no interior do Estado.

Procedente de família humilde teve a infância e adolescência de menino pobre sem condições de estudar, o que muito desejou, mas não lhe foi possível, senão aprender as primeiras letras, visto que logo cedo começou a trabalhar para ajudar seus pais na sobrevivência da família. Criado sob a vigilância de seus pais, com eles tornou-se também seguidor da religião Católica Romana. Mesmo assim, sendo eles tementes a Deus, deram-lhe a educação necessária para a formação do caráter. Na sua mocidade, voltando a residir em Natal, conseguiu um emprego na antiga Intendência do Município, atualmente Prefeitura Municipal de Natal, como podador de árvores, através do qual começou a cooperar com seus pais na manutenção da família.

Aos 21 anos de idade, a 08 de fevereiro de 1926, foi alcançado pela pregação do Evangelho e aceitou ao Senhor Jesus como seu salvador pessoal na gestão do Pastor Bruno Skolimowsky, tendo recebido o batismo com o Espírito Santo pouco depois de um mês, a 11 de março de 1926. Feita a sua profissão de fé, tudo começou a mudar para melhor na sua vida. No mês de maio desse mesmo ano, foi batizado nas águas pelo referido Pastor Skolimowsky, por sinal, o último batismo por ele realizado em Natal.

Filiado à Assembléia de Deu em Natal, o jovem João Batista da Silva, tornou-se um frequentador assíduo de todas a reuniões realizada pela igreja, tais como: cultos regulares, escola dominical, cultos de vigílias, cultos ao ar-livre e, inclusive, cultos em casas residenciais, pedidos por irmãos interessados. Vendo a Igreja a sua dedicação ao trabalho de evangelização e o seu comportamento exemplar nas reuniões onde se fazia presente, na gestão do então Pastor Francisco Gonzaga da Silva, de saudosa memória, foi indicado e aceito como auxiliar, porteiro e, posteriormente, em 1929, separado ao diaconato.

Com a sua convivência na Igreja, ali conheceu a jovem Maria Anita Albuquerque Torres, com quem se casou no dia 30 de novembro de 1931 e dessa união nasceram 11 filhos, uns nasceram no Rio Grande do Norte, outros na Paraíba e Bahia, onde foi pastor, durante 10 anos.

Realizado o seu casamento e conhecida a sua vocação para o ministério da Palavra, foi consagrado a presbítero em dezembro de 1934, e a pastor, a 18 de fevereiro de 1935, pelo pastor Cícero Canuto de Lima, para assumir a direção da Assembléia de Deus em Ceará-Mirim - RN.

Empossado como Pastor da Assembléia de Deus em Ceará-Mirim em 1935, com ação pastoral em todo o município e com extensão a vários outros, como: Taipu, Baixa Verde, Bento Fernandes, Angicos, Fernando Pedroza, Lages, Assu, Pendências, Afonso Bezerra, Macau, Touros, Extremos e outros, onde sentiu a proteção de Deus de forma inequívoca. É oportuno salientar que, como iniciante na atuação pastoral e não dispondo de transporte próprio, assistia as congregações localizadas em alguns desses municípios viajando ora em trens de 2ª classe, ora em cima de cargas de caminhões e, como se não bastasse, em cavalos, jumentos e também a pé, muitas vezes motivado pela falta de recursos. A sua ida para pastorear a Assembléia de Deus em Ceará-Mirim, foi um ato de fé, porquanto à época, com a sua esposa já esperando o primeiro filho, renunciou o emprego estável e seguiu em frente, mesmo sem salário assegurado.

Aprovado o seu ministério pastoral na Igreja de Ceará-Mirim e nos municípios por ele assistidos, foi agraciado em janeiro de 1939 com um convite especial que lhe fora feito pelo Pastor Cícero Canuto de Lima, então titular da Assembléia de Deus de João Pessoa - PB, e que estava de transferência para o Rio de Janeiro, para substituí-lo naquela Igreja, com jurisdição em todo o Estado da Paraíba. Aceito o convite, foi empossado solenemente ali, na noite de 02 de fevereiro de 1939, cujo ministério teve a honra de presidir durante 11 anos. 



Crentes reunidos em frente ao Antigo Templo-Sede da AD em João Pessoa (PB)
Substituído na Assembléia de Deus em João Pessoa pelo Pastor Antônio Petronilo dos Santos, de saudosa memória, foi em seguida empossado na Assembléia de Deus em Salvador a 31 de janeiro de 1950, em atendimento ao convite que lhe fora formulado pelo missionário Eurico Bergstén, então responsável por aquela Igreja.


Antigo Templo-Sede das AD em Salvador (BA),
localizado na Ladeira do Boqueirão, nº 7
Ao assumir a presidência da Assembléia de Deus em Salvador, a Igreja-Sede funcionava à Rua Custódio de Melo, nº 7, na antiga Ladeira do Boqueirão, em um antigo casarão estilo colonial de três andares, mediante o pagamento de aluguel. Entendendo que a Igreja poderia comprar aquele casarão, entrou em entendimento com os proprietários manifestando o seu desejo e, uma vez inteirado, levou a proposta de venda ao conhecimento da Igreja, com o preço estipulado de Cr$ 400.000,00 (quatrocentos mil cruzeiros antigos). Analisada a proposta pela Igreja, foi aceita na condição de o pastor João Batista da Silva e o missionário Eurico Bergstén se empenharem para o levantamento de fundos para a realização do negócio, porquanto a igreja não dispunha daquele valor, na oportunidade. Aceito o desafio, depois de um curto espaço de tempo foi realizado o negócio.  



Em Salvador, o seu ministério foi grandemente abençoado, tendo levado a sua atuação pastoral a várias cidades do Estado da Bahia, como: Alagoinhas, Nazaré das Farinhas, Candeias, Itabuna, Ilha de Itaparica, Ilhéus, Irecê, Mataripe e outras. Na Capital, criou a Escola Evangélica Assembléia de Deus de 1º e 2º graus, que continua em pleno funcionamento.

Cumprido o seu ministério em Salvador, que durou uma década e foi marcado pela volta da Igreja à normalidade, bem como a instalação de novas igrejas, congregações e vários templos, inclusive no interior do Estado, aceitou o convite feito pelo ministério da Assembléia de Deus em Natal para assumir a sua direção com jurisdição em todo o Estado do Rio Grande do Norte. 


Antigo Templo Central da AD em Natal (RN)
Ao tomar posse em Natal, no culto solene realizado a 10 de janeiro de 1960, declarou à igreja em sua primeira mensagem, que estava no seu coração o propósito de ampliar da melhor forma a propagação do Evangelho no Rio Grande do Norte, até atingir todos os municípios, instalando uma congregação da Assembléia e Deu em cada cidade com um obreiro fixo e templo próprio, para melhor atender a igreja local. O seu ministério em Natal e por extensão no Rio Grande do Norte foi manifestamente fecundo, visto que, além de o Senhor haver concedido o desejo do seu coração, no que concerne à expansão do Reino de Deus, para todos nós foi um período de paz e visível prosperidade.

Por outro lado, reconhecendo a necessidade de melhor capacitação para os obreiros que trabalham no Ministério da Palavra, criou em 1979 a ESTEADEB (Escola Teológica das Assembleias de Deus no Brasil), através da qual inúmeros irmãos vêm melhorando consideravelmente seus conhecimentos. Os que já passaram pela ESTEADEB, conforme sabemos, enquanto melhoraram o nível intelectual com o conhecimento da Didática do Ensino e mui especialmente com o Curso de Educação Teológica, ficaram aptos para manejar bem a Palavra da Verdade, como obreiros aprovados, o que é por demais gratificante para a Assembléia de Deus no Estado.

Pastor João Batista da Silva e obreiros reunidos na AD em Natal (RN)

Obreiros reunidos na AD em Natal por ocasião da realização do CAPED (1975)
Ainda na sua gestão, foram criadas com a sua aprovação as escolas de 1º e 2 graus da Assembléia de Deus nas cidades de Santa Cruz e Mossoró, pelos seus respectivos responsáveis – Pastores Francisco Cícero de Miranda e João Gomes da Silva, as quais estão em pleno funcionamento. Em Natal, ao encerrar a sua administração, em reunião específica com o seu ministério, aprovou o projeto do Professor Francisco Varela de Souza, para a construção de um Anexo à ESTEADEB, com o objetivo de funcionar uma escola de 1º e 2º graus. Para alegria do Pastor João Batista da Silva, coube-lhe a honra de, na solenidade de inauguração da Escola enfocada, realizada no dia 02 de março de 1996, cortar a fita simbólica. Foi grande a sua alegria.

Muito poderíamos falar ainda sobre a atuação do pastor João Batista da Silva à frente das igrejas que teve a honra de administrar, porém para não enfadar os leitores é oportuno lembrar que, muito já foi dito a seu respeito, tanto no jornal Mensageiro da Paz – Órgão Oficial das Assembleias de Deus no Brasil, quanto através do jornal da AD em Natal e outras edições históricas da CPAD. Assim sendo, entendemos que o presente resumo seja suficiente para justificar a nossa homenagem.

Havendo o Pastor João Batista da Silva completado 88 anos de idade e sentindo-se com a saúde abalada, face ao desgaste decorrente da idade avançada e dos 63 anos de atuação pastoral, além da saudade deixada pela sua esposa, aceitou ser jubilado. Em seguida, passou a direção da Assembléia de Deus no Rio Grande do Norte ao Pastor João Gomes da Silva, no culto solene de ação de graças realizado a 24 de maio de 1993, pela passagem do Jubileu de Diamante da fundação da Igreja Evangélica Assembléia de Deus em Natal.

Ao entregar a liderança da igreja em maio de 1993, deixou implantados trabalhos de evangelização em todos 153 municípios do Rio Grande do Norte. À vista dessas considerações, pelo seu bom desempenho como auxiliar, porteiro, diácono, presbítero e, finalmente, como pastor, em cujas funções dedicou 67 anos da sua vida a serviço das Assembleias de Deus no Brasil, fica a homenagem da nossa Igreja e dos que fazem o Bom Semeador ao nosso querido Pastor João Batista da Silva.

Tendo cumprido a sua tarefa aqui na terra, o Senhor Deus, achou por bem leva-lo, aos 94 anos e 7 dias, lúcido e farto de dias no dia 31 de maio de 1999, podendo dizer como o apóstolo Paulo: “Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. II Tm 4:7”. Na época de seu falecimento, era considerado o mais antigo obreiro tanto de idade, quanto o tempo de ministério pastoral. 



O pastor João Batista era muito querido em toda a região, prova disso foi o número de pessoas que compareceram ao seu sepultamento. A cerimônia, que ocorreu no dia 1º de junho, contou com a presença de irmãos de várias congregações, pastores e autoridades civis. O caixão, coberto com a bandeira do Brasil, foi conduzido ao cemitério em um carro de Bombeiros com batedores da Polícia Militar. Dentre os que compareceram ao enterro, estavam os pastores: Amaro Antônio, representando a AD do Estado de Alagoas; Francisco Olimpio, presidente da UMADENE – União dos Ministros das Assembléias de Deus no Nordeste e líder da AD em Toritama – PE e Ailton José Alves, presidente da Convenção Estadual das Assembléia de Deus em Pernambuco (CONADEP) e líder das AD em Recife, que na ocasião representou o pastor José Wellington Bezerra da Costa, presidente da CGADB.

Em reconhecimento a importância do pastor para o Estado do Rio Grande do Norte, o governador e a prefeita da cidade de Natal enviaram seus representantes ao sepultamento. 

ANEXOS:

Pastor João Batista da Silva e Missionário Eurico Bérgsten e Obreiros da AD em Salvador - BA.


Pastor João Batista e obreiros da AD em Natal 
Pastor João Batista pregando ao lado do
Pastor João Gomes da Silva, que foi o seu
sucessor na liderança da AD em Natal

Pastor João Batista comemorando os seus
88 anos de idade


sábado, 3 de junho de 2017

CORAL EXCELSIOR - ARTE E CULTURA NO RIO DE JANEIRO

Compartilhar com o pessoal desse grupo a história de alguns corais tem sido muito gratificante. Geralmente faço as postagens históricas na quarta-feira, porém, ontem não foi possível e hoje com prazer estamos aqui.

Até então postamos aqui a trajetória de diversos corais evangélicos pertencentes a denominações históricas como Assembléia de Deus, Batista e Presbiteriana Independente. Pudemos conhecer até o momento, a trajetória de corais importantes, tais como: Coral da AD em Belém do Pará (o primeiro coral da AD), Coral do Belém (SP), Coral Filadélfia da AD em Recife, Aleluias Coral da AD em Belo Horizonte, Coral Eclésia da PIB do Rio de Janeiro, Coral da Catedral Evangélica de São Paulo, entre outros.

Existe no Rio de Janeiro, um coral famoso que não pertence a nenhuma denominação, mas é de origem evangélica e a maioria de seus componentes é cristã evangélica. Trata-se do CORAL EXCELSIOR, pertencente a Sociedade Excelsior de Arte e Cultura, cujo objetivo principal é divulgar a arte sacra, em especial a música. Como parte desse objetivo, o coral realiza eventos especiais e concertos em igrejas, teatros e salões de música.



O CORAL EXCELSIOR, é um coro misto organizado, sob a liderança de Guilherme Loureiro (1916- ? ), em 26 de maio de 1949. Mantido pela Sociedade Excelsior de Arte e Cultura, ela foi fundada por 33 evangélicos. Nas quatro primeiras décadas (1949-1989), realizou 402 audições, em várias cidades do Brasil. Nas décadas de 50 e 60, promoveu Festivais de Música Sacra.

Seu repertório básico consistia de composições de Guilherme Loureiro, seu fundador. Loureiro foi compositor e atuou como regente de diversos corais, entre os quais o Coral da Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro. Compositor de algumas importantes obras musicais como oratórios, óperas e cantatas, Loureiro foi um grande nome na Música Sacra Brasileira.

Ao longo de seus 68 anos de existência o coral carioca, tem apresentado peças de Handel, Mozart, Haydn, Beethoven, Mendelssohn e Rossini.

Fonte: NASSAU - Dicionário de Música Evangélica



       Coral Excelsior realizando um concerto na Igreja Batista Itacuruçá no Rio de Janeiro  

       Coral Excelsior realizando um concerto na Igreja Batista Itacuruçá no Rio de Janeiro  

                    Coral Excelsior cantando na Igreja da Candelária no Rio de Janeiro